quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

FRAGILIDADES, DE GENOVEVA PONCE

Noites

Na noite aberta,
agarimoso e, por uma vez,
a toda a voz se estende
o canto dum desvario.

Sabedoria de esquecimentos e lembranças,
almofadas para arrolar
aqueles poemas anônimos.

Sem rotas

Ostentar o teu nome
em todas as esferas
embora não possa reclamar-te,
embora, como qualquer tarde,
as tuas rotas fiquem cobertas de areia,
pois não voltará a tua palavra milagre
e irão embora com o vento teus segredos

Cumplicidade

A este sonho falta-lhe cumplicidade
feitura perfeita,
asas dispostas.

Ainda lhe pesam medos
sombras de outrem
e mais alguma quimera.

A este sonho falta-lhe cumplicidade
sentido infinito
sentirmo-lo de nosso
como se fosse um filho
como se fosse possível.

Perpetua-te

Perpetua-te em mim
como calendário eterno,
como mundo,
como universo,
como vida e como morte


© Texto: Genoveva Ponce
© Tradução: Xavier Frias-Conde

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

UNI-VERSOS, DE CAROLINA MUÑOZ SUANCHA

Beijara-o tanto
que mesmo por lá lhe saíram as entranhas todas.
Deitada no pó da dor
pregou para o desejo enxugar.

Acabou de chorar
e arrancou uma após outra as pestanas
fez um longo fio
e coseu os lábios.

Diz-se que nunca mais
suplicou por amor

* * *

E uma cousa leva a outra...
Ele é de vidro,
ainda nem se sabe amado,
leu todos os gestos rítmicos,
fala do cortejo astral,
treme de estupor e
presente o seu final
Fragmentado no chão,
jaz feliz, agora ele é só desejo
e lembra.

* * *

Porquê é que assim dançavas não sei.
És o boceto dos meus afetos.
Apareces
e todos os meus versos são consoantes.
Mexes-te e a cultura perpetua-se.
Fazes amor com a reminiscência que sou.
Acordas
e voltas a ser un cadáver que à noite traz
o meu antídoto contra o esquecimento.

© Texto: Carolina Muñoz Suancha
© Tradução: Xavier Frias-Conde

sábado, 6 de janeiro de 2018

HAIKUS, DE FÁTI ZAH

Imagen relacionada


Luz desta noite
a custodiar a terra
a lua cheia


Un raio de sol
entra pelo ferrolho
também a sombra


A chuva molha
o banco solitário
e a lembrança


Pingas de chuva
embafam os vidros
e a memória


Cheiro perpétuo
as castanhas assadas
gozo de infância



© Textos: Fáti Zah
© Tradução: Xavier Frias-Conde

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

PRIMEIRA NOTA DE VEGA E OUTROS POEMAS DE JAIME LORENTE

primeira nota de vega

olhamo-nos nos olhos:
apenas nos rodeia
o silêncio do que nascerão as palavras

ainda é cedo para serem pronunciadas
mas ela sabe quem sou

respira devagar
ainda o mundo não lhe ensinou
como acelerar os relógios;
a vida adormece nos seus olhos lentamente
com a minha mão amarrada

naquele momento cúmplice, íntimo, secreto
naquele vínculo vivo e nascente
germola a poesia


determinação

entre maços de papel com poemas tristes
sou um homem feliz
eternamente grato

entre maços de papel com poemas tristes
está a vida convosco

ante uma realidade distópica, desafiante,
refugio-me na poesia crítica
-sem largar a vossa mão-
então
volto ao lar

entre maços de papel com poemas tristes
fica o amor;

sumo
para vos alcançar a cada instante
e dedicar o meu tempo
a caminhar convosco
no coração puro,
neutro e singelo
da vida


entre reixas

por vezes saímos da prisão da nossa mente
e nunca encontramos
países, fronteiras ou ideologias:
apenas pessoas,
montanhas, peixes, mares e rios

compreendemos
que somos livres rodeados de aramados
a respirarmos o ar viciado
que nos mata lentamente

descobrimos
que uma parte de nós
saiu e conheceu a verdade

e muitos
por medo de afrontarem o mundo
e lutar contra as injustiças,
vestem de novo
a sua roupagem riscada
e
retornam
obedientes
à cadeia


© Texto: Jaime Lorente, 2018
© Tradução: Xavier Frias-Conde

quarta-feira, 17 de maio de 2017

SÚPLICA E OUTROS POEMAS DE GABRIEL CISNEROS

SÚPLICA

Senhora, escuta a oração
de quem perdeu
a origem e o firmamento,
não hesites mais

Ergue-te dentre os mortos!

Sangue que alça
calendários
na necrópole
onde dorme
a titereira
do meu espaço sem destino,
sereia do mar Egeu,
apocalipse
abismo das fendas.

Penélope,
dói-me o esperma
encadeado às formas
das tuas costas
não sei quantas batalhas
tenho perdido
perante donzelas
que se vestiram
graças às tuas galas,
nem as vezes que gritei
no abismo dos escaravelhos
para saíres dentre os mortos
e dançares sobre a lua
antes de desmembrares as minhas partes.

Senhora, escuta a oração
de quem perdeu
a origem e o firmamento,
não hesites mais.

Ergue-te dentre os mortos!


AO AMOR SEM ESPERANÇA 

Não é esse amor que guardam numa caixa
para ser vendido como uma bagatela
a corpos cansados
que nas endorfinas
tentam esquecer o tédio,
nem o que se consuma
como a proa de um veleiro afundido
no oceano de serpes
que perderam o rasto por trás da neblina do porto

Este amor é como uma viagem
à lua, ao tempo, à terra em cento e oitenta sinais,
ao enxofre que negamos
na fórmula dos alquimistas,
na escuridão onde o corpo
tremeu pela primeira vez
e permitiu que os continentes naufragassem.

Não te minto,
nesta impossibilidade de te tocar vendi a alma
a um exército invencível de mulheres
com que não consigo desvelar a adivinha
com que os teus olhos crucificaram
o meu respirar das tuas perfeitas nádegas,
do teu sexo onde não consegui plantar o cedro
que me aconchegue na morte.

Neste amor que me faz escrever
com a vaga esperança
que alguém herde o teu sangue,
chore no futuro ao lado de um violino carcomido
com os meus versos
e assim, sem vontade, tu me ames
e no êxodo as palavras quebrem paredes
e possa tocar-te,
como a aura à primeira pétala
ou o sol no rosto escuro
de um elétrico que nunca caminhou na luz.

É este amor que continua a te nomear
com a raiva
de quem lança a primeira pedra
porque se cansou de ocultar os seus pecados.


O CAFÉ E O AMOR 

Bebíamos café
a empurrarmos o ocaso para a falésia,
sem nos atrever a olhar
para a areia compreendida numa bolha
que nos esvaecia.

Preto, quente, proibido
numa chávena a vida eterna resumida.

O desembarque e os exílios eram nada,
como bater os tacos
sobre o mar para que chova
e morrer afogados cara a cara
nas sementes que nunca floresceriam.

Premonição
da dor sobre as almas,
sorvo-te ainda no café
e embora estejas feliz trás
a inocência da tua gaiola.
por vezes penso que te tenho
numa chávena.

© Texto: Gabriel Cisneros Abedrabbo, 2017
© Tradução: Xavier Frias-Conde

BORBORETAS E OUTROS POEMAS DE KIRA KARIAKIN

BORBORETAS

Não entendo o meu destino
vivo suspensa
na trama das borboretas

não desço para os dias futuros
não padeço dor
habito-o sem reservas
com o peito encerrado

não sou a mulher que quis ser
planificaca errada

não tenho arrependimentos
apenas tristezas íntimas
escondidas
que agasalham o quotidiano

não espero a ledice
persigo-a
conquisto-a em cada entardecer
em cada cintilar da noite

não durmo
a vigília é o paroxismo do sonho
da alma atenta
ao voo das borboretas

RITUAL

A água ferve
a chaleira assobia

decido

se for de manhã
o chá será forte

preto

se o crepúsculo
for promissório
a mistura será
afumada e oriental
do contrário
aromatizada à inglesa

as noites e a vigília
são acompanhadas
por perfumes de tangerina
cidreira
sabores de frutos outonais

a xícara acolhe o momento

o paladar   a língua    o olfato
convergem
na verdade do primeiro trago

o meu corpo recebe
comunhão


[TENHO UM OCO NO CORAÇÃO]

Tenho um oco no coração
é seco e escuro

se introduzir um dedo
sinto a aspereza
da areia oculta
das minhas securas
e a negrura densa
que aperta como uma jibóia
insone e insatisfeita

o meu coração
é torto de sentimentos

o vento nele não encontra ninho
nem a luz repouso

eu vivo com um oco cego
no peito

© Texto: Kiria Kariakin
© Tradução: Xavier Frias Conde

sábado, 8 de abril de 2017

LÁ FORA CRESCE A ÁRVORE, DE DANIELA GAITÁN



LÁ FORA CRESCE UMA ÁRVORE

Formas de dizer lá fora cresce a árvore sem mencionar

A erva da orvalhada a raíz do sol nos ramos
Sem que a evolução seja detida...
Há tantos tantíssimos anos
Milhões de anos
Milhões de milénios

                                 Crânio grande

                     Queixo espalhado de forma antiestética
Desconhecida ainda a fonologia: parte da linguística que estuda os fonemas ou descrições teóricas dos sons vocálicos e consonânticos que formam uma língua
Só o costume do sobrevivente.
                                 
Milhões de milénios por diante
Crânio estranho
Queixo injusto                        apreender o lume apreender as rochas

                                                           O uso homohumano

O cova  a ninho
os fenómenos daquela altura não revelaram o mistério
como voltar para o ninhoprimeiro uterodaverdadeira
que não,
tristemente
tampouco hoje concebemos.

Elo evolutivo, tantíssimos anos de distância entre nós,

A sentirmos frio,
Mais do que frio, fome absoluta
De homosapiens absoluto.
Tu, cérebro estilizado, longínquo de toda a história arqueológica que ťe acontece:
Dá-nos, por favor, força de vontade, que nos alcancem
Os ninhos para introduzir os dentes, ao menos
enquanto continua a raíz a espalhar sub-terra-nea-mente
-como veia de sangue espesso- não se detém.



Lá fora: cresce a árvore, vai sol, sopra o vento, tremem as folhas, secam os frutos, mexem os pássaros, encontram-se as pessoas, mora o futuro

E digo futuro

E tudo vem para mim, mas a árvore vai no seu caminho para o céu
O seu caminho divino.

Chegará com uma palavra para alterar a soma de tantas verdades:


Lá fora /tudo continua, não prossegue, só continua/

Cresce a árvore
Vai sol
Sopra o vento
Tremem as folhas
Secam os frutos
Mexem os pássaros
Encontram-se as pessoas 
Mora o futuro | começa a chover

E digo chove

E o presente simples sem adornos quica nas têmporas de qualquer um, não é assim portanto como quica a história a precariedade das nossas estruturas:

Vou ao ninho

Para saír mais tarde, novamente, outra vez. Esta vez
Tal como faz a árvore aí. Lá fora.


© Texto: Daniela Gaitán
© Tradução: Xavier Frias Conde

quarta-feira, 29 de março de 2017

MÃE, DE YULIANA ORTIZ RUANO

Mãe,
sonho com o meu cadáver todas as noites.
Do meu ventre penduram dous seres que não quiseram nascer.
Renunciei a tudo o que me fazia infeliz.
Renunciei a tudo.
Renunciei.
Só até que ťe arrancam com as duas mãos o esterno
abres as pálpebras
e varres as crostas secas
que tapizam o chão do teu quarto.
Só até quando alguém mete a mão no teu embigo
e extrai uma víscera sangrante
que lateja quente no ar
convertes em argila a casa
e tentas moldar nela
ou esmaga-la de vez.

Mãe,
tenho vinte e três anos
mas parece um século.

Sonho com o meu corpo teso
todos os dias.
Renunciei a tanto, mas
por que esta vontade chorar?
Por que as feridas
suturadas abrem e sangram outra vez?
Por que o silêncio
disseca os meus ossos?
Por que a porta está ainda fechada
diante do meu rosto?
Renunciei a mim.
Renunciei.
Abandonei-me em cada tarde.
A Yuliana fica à minha espera
nalguma longínqua estação.
Impaciente;
come as unhas,
os dedos.
Yuliana come-se.

Mãe,
continuo a falar de mim
para a gente
como se isso interessar.
Como se a coberta se erguer
e me disserem
que pare de chorar,
que tudo foi uma brincadeira pesada,
que agora posso rir
às gargalhadas de mim
e do meu ventre.

Que tudo isto foi uma brincadeira
muito pesada.
Que isto não sou eu
que para além da coberta
há vida a sério.
Mãe,
renunciei a tudo quanto me fazia infeliz.
Por que a muralha continua a crescer?
Mãe,
não devi sair do teu ventre.
Olha os meus ossos.
Olha a sua fragilidade.
Olha os seus dias
que pousam lilás
sob os meus olhos.
Olhas as minhas mãos
transparentes.
A muralha tem vida.
Ao meu redor tudo exala mais vida do que eu.

© Texto: Yuliana Ortiz Ruano
© Tradução: Xavier Frias Conde

domingo, 5 de março de 2017

TRÊS POEMAS DE OSWALDO GUERRA

DESCENSO À PRAIA, UMA MANHÃ DE TRABALHO


Abro-me ao Passeio por entre ruelas
multicolores, ao desenho diáfano
da praia e do seu mar agora tranquilo.
Estou dentro da praia, cegado
por tanta claridade, afagado
pelo ar tão calmo. É como se não houver
ninguém (crianças, anciãos quase quietos):
o silêncio fica longe, adormecido.
Descalço os pés. Afundo ao instante
as minhas dedas no fino grão. Entro.
O mar fala para os banhistas, sussurra
com a sua língua minguada uma inquietante
promessa, arrola os seus corpos salgados,
para penetrarem no seu enorme ventre.
Toca-me a água. Está fria. Vira espuma.
Atrás fica o Passeio, as suas casinhas
baixas e mais para a frente a monstruosa
cidade, o seu barulho portuário, as suas ruas.
Apoio a cabeça até sentir
o céu, e apenas sinto o céu por cima.
Tudo quanto nele há fica escondido
nos grãos da minha praia, oculto
nos seus castelos leves, nos gritos
acompassados daquele vendedor de barquilhos,
na voz das sereias voluptuosas…
Ficarei o resto do dia
para ver que mais escuto.

(De Un rumor bajo la rama, 2012)


CRÍTICA DA BELEZA
[Mito do seixo rolado e a areia]

Quando entardece não é apenas a derradeira luz, mas é o som que se impõe. Perante um mar-onda o seixo rolado, muito antes do que arenisca, bate-se a si próprio e os seus outros infintas vezes, até alcançar certa sinfonia. Quem vir o ruivém crê saber —ah, pequeno deus— da mais elevada beleza, até que aos poucos o calor do sub-trópico desce por um orquestrado rumor. Diminuto instante em que Aquilo e Um somos quase a mesma cousa, embora não o saibamos. Roda e volta, roda como seixo sem vermos absolutamente nada com os olhos do prazer. Prazer era o sol quente que sexuava a nossa pele formosa. Prazer era.

Os litofones fazem agora o seu chamado antes se tornarem areia silenciosa. Jamais serão vistos à noite, mas serão o pulso que, apenas por um instante —na certeza que já o Eros e a Vénus praieira não são senão despojos de Música neste lar africano—, darão sentido ao coração que quiser libertar-se do corpo.



(De Muerte del ibis, 2013)

PALAVRA LUZ

Invejo o calígrafo sufista que pacientemente engasta uma palavra em outra
para se aproximar do resplandor da montanha sagrada,
enquanto eu procuro com a estranha costura entre uma e outra palavra o sentido de uma vida

(De Si existe el árbol. Cuaderno iraní, Inédito)


© Texto: Oswaldo Guerra
© Tradução: Xavier Frias-Conde

domingo, 26 de fevereiro de 2017

1969 E OUTROS POEMAS DE GABY RUIZ



1969

Meu nome é região nesta viagem... 
o tempo perfuma as sombras entre montanhas
as nogueiras reclinam-se para beber no rio bravo
desde a vertigem

Meu nome é região nesta viagem... 
é hora de tomarmos banho sob a chuva
segurar-nos-emos as mãos
desde as beiras

Meu nome é região nesta viagem... 
volto para o meu vazio preferido, o calor
ungida pela terra
como a tangente imortal ao finalizar o inverno transparente



NOVAS PRIMEIRAS VOZES

Surpreendeu-me um silêncio de coiotes
porque respirava a noite
porque eu era lua parda
e me despenteavam os saguaros tenros do caminho
como irmãos que te abraçam

Os meus lábios molharam-se em auréolas líquidas
pranto alegre da Sierra Madre que bebi.
Foi a colheita fresca do tejuino
a ferver nas bochechas.
Eu e minhas irmãs corremos.

Podias chamar-me do vazio dos nomes
porque chovia e rugia o meu coração
porque virara uma mulher sábia.
Tarde-Céu não deve ter estrelas
mas é deus quando ťe grita:
"És uma e eterna"


MOICANO

Emboscada
de costas e braços estendidos,
esses frenéticos continentes
entram em combate
o salto selvagem do impulso narrativo
o duelo dos olhares
o enfrentamento com o mais obscuro inimigo
é dizer, os velhos amantes
o inferno do esquecimento
o desejo de vingança
és o mortal que não perdoa
o primeiro despossuido
emanas do meu derradeiro ocaso
da paisagem do assédio
é tarde demais...
moicano esvaído
                      Vens exterminar-me!

© Texto: Gaby Ruiz
© Tradução: Xavier Frias-Conde

terça-feira, 16 de agosto de 2016

LINHAS PARALELAS E OUTROS POEMAS DE ARI GARRIDO

LINHAS PARALELAS

Não se tocarem nunca
dói-lhes igual
do que não se poderem separar

29/7/13

MAGNETISMO

(...)

5

Ya no se encantarán mis ojos en tus ojos,
ya no se endulzará junto a ti mi dolor.
Pero hacia donde vaya llevaré tu mirada
y hacia donde camines llevarás mi dolor.
(...)
Fragmento de Farewell, Farewell y los sollozos, Crepusculario

Pablo Neruda

Quero um degrau.
Um que meça
apenas um centímetro mais
para sempre tropeçar
no mesmo ponto
das escadas.
essas com vistas para os teus olhos.
Para não ter de ti tanta saudade
Para não reescrever o outono.


17/7/13­ 2/9/13


PROFISSÕES

Nunca pensaste que los sueños
me mandarían tanto de los dos
para sacarlos de su área de confort
cualquier propuesta desmerece consideración.

Enrique Bumbury


Passeavas pelas sanefas,
és dessas que decoram
tudo quanto veem.
E dá-lhes sentido.
Foste nomeada interiorista do ano.
E não voltaste a pisar este chão.
Mas as paredes relembram-te
com cada retrato.

14/9/13

© Texto: Ari Garrido
© Tradução: Xavier Frias Conde

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

LINGUA MATERNA, DE ESPERANZA VIVES




palavras camélias. brancas espirais. singelas. no meu corpo de meiga lactante que arde como os caracóis ignorados sob a chuva. árvores pretas. cromatismo da água afastada guardada entre as mãos. elo face a lentas lagartixas. carne herética espargida como folhas novas de flores discretas. feitiço feito história sobre o leve ranger das carricantas. sobre as sombras quebradas/vermelhas da língua. enquanto me chamam mãe sopra a brisa.


© Texto: Esperanza Vives Frasés
©  Tradução: Xavier Frias Conde

domingo, 14 de agosto de 2016

NOVE EM CADA DEZ, DE SANDRA BARRERA


Nove em cada dez
dentistas recomendam que me mordas
as costas ao menos durante uma lua cheia
por mês enquanto os meus tecidos se dissolvem
num efervescente
universo articulado em torno
da emoção animal de escalar-te.
Brinca comigo a sermos
um símbolo impregnado de poemas:
refutaremos rosa,
rotina ou calendário;
escolheremos lume,
vento e trovoada. Despregar-me-ei
na pele e na alma entregada sobre ti.
Nove em cada dez
astrólogos alarmam-se cada dia
pelos meteoritos que geramos
em cada amanhecer.

© Texto: Sandra Barrera Martín
© Tradução: Xavier Frias Conde

quarta-feira, 13 de abril de 2016

VERBUM E OUTROS POEMAS DE ROSSY EVELIN LIMA

VERBUM
Cada palavra articulada
sustém o peso das línguas do mundo,
marulhada de imagens,
búzios que ainda não encontram
            a sua forma perfeita.

Cada palavra, fonema absoluto,
dá-nos a beber nas suas mãos
a ideia de um passado
em que acreditámos para sempre.

A palavra, 
        a unidade mínima
de expressão ardente,
a base da experiência diária,
dos ecos e da lama
que se amoldam à nossa aparência.

Cada palavra articulada
vai formando a nossa segunda pele,
enche-nos o céu da boca com sussurros alocromáticos.

Cada palavra articulada é a areia do nosso mar,
não existe onda que possa levar o areal embora
               da nossa beira, 
não há sal que derreta ou evapore
o grão edificado pela palavra dita.

Sem interessar a voz
nem o tremor da garganta,
a palavra cai sempre aos nossos pés
tornando-se pedra ou caminho.


AS ILHAS

Somos muitas ilhas,
o rio e o sol
escurecem e aclaram os nossos pés,
as palavras lavam as nossas pernas.

Somos muitas ilhas,
nelas construímos labirintos,
alçamos vegetações de concreto.
Deixamo-nos cair igual que a noite
com rumores de grilos e cavernas.

Por vezes construímos pontes
e viajamos de uma ilha para outra.

Por vezes caminhamos sem pontes
à espera de renascermos noutra beira.

Somos muitas ilhas,
por baixo de nós
flutuam uns laços infinitos
que tencionam ficar na nossa vida

Por baixo de nós há uma pele da cor da cana
que tenciona ligar-se à nossa beira,
que fala a voz de cem povos,
que tenciona enlear-nos
como quando em vez de ilhas
fomos uma só terra
mexida nas asas das águias, condores e quetzais.

Agora somos muitas ilhas,
chega-nos a chuva ou a seca
enquanto erguemos as nossas mãos.
Afastamo-nos a cada dia mais
e construímos muralhas
com cinzas e ramos secos.

Somos ilhas,
mas nas manhãs
quando não há risos na nossa beira
desejamos ser levados pelo vento embora
e termos apenas um nome.


COYOLXAUQUI
Somos muitos que herdámos os teus cascavéis,
vamos adornados, a nossa roupa é a chave
que promete abrir-nos o céu,
mas somos pobres, não é este o nosso tempo.

Desconsolamo-nos
em nossas casas
e vamos carregando os nossos cascavéis
para outras pátrias
onde a terra
talvez nos sorria.
 
Aqui não há nada para nós,
o teu irmão faz a sua ronda por todas as ruas.
O único imposto que aceita é o nosso sangue.
Dissemos-lhe que somos irmãos,
que os nossos cascavéis são a celebração
que a nossa língua não experimentou o ódio.

Tu sim nos escutas, Coyolxauqui, 
envia-nos a tua luz 
para podermos cruzar as fronteiras.

É um brilho eterno o que nos rodeia.

É uma palpitação sentir-te revivida
nos nossos cascavéis,
sentir-te a cada passo
e sabermo-nos estrelas,
alcançando devagarinho
um bocado do teu céu.


© Texto: Rossy Evelin Lima
© Tradução: Xavier Frias Conde

domingo, 10 de abril de 2016

TRÊS POEMAS DE MARÍA ÁNGELES PÉREZ LÓPEZ

[O olhar insolente]
para Ana Orantes, queimada viva pelo seu homem a 17 de dezembro de 1997

O olhar insolente
é uma forma aguda como um prego na terra,
contém uma dose horrível de si próprio
e mal significa
a depauperada humiliação de ficar
como se não
do corpo que se enruga
e se encolhe no seu nó principiante
virando cinza, tornando-se invisível
matéria degradada pelo ódio,
a palha que se prende com moleza.

O olhar insolente
acompanha a mão, a perna insolentes
para atrapar o corpo com o gancho do medo
porque ela está tão sozinha e vencida,
ferida na sobrancelha e surrada
com o tição de medo que leva quem é o seu anjo
do mal ou da ira.

A violência insolente
faz tremer as margens do corpo
e na sua lenta combustão como de azinheira
a tinta das veias escreve esse calvário
quando era profanado o templo da carne
e no ar se escreviam garatuja, grafitis
com a voz enlameada e suja desse grito
que calcina os lábios, as cordas da boca,
“porque eu não sabia falar,
porque eu era analfabeta,
porque eu era um vulto
porque eu não valia um tostão”.

Oh, corpo de papel para a fogueira.
(de El ángel de la ira, 1999)

[Elefantes] 

Como os elefantes, a mulher
inquieta-se perante os ossos da sua espécie,
mexe nervosamente a cabeça,
extravia-se e tropeça com a sua dor.
Os esqueletos longos, mascarões
que aventaram para o mar e o pleistoceno
para dormir, lavados pela água
até se tornar lâminas de luz,
são uma ferida aberta e silenciosa
que os grandes mamíferos erguem
com tal delicadeza, com caninos
no seu arabesco e a sua melancolia.
Porque os elefantes, a mulher,
alçam a ossamenta dos seus
e os aninam com os seus grandes dentes,
os mexem com paixão e com toleima.
Como os elefantes, a mulher
cobre a sua pele de areia e de termites,
lança as suas costelas, as suas costas,
a terra dos seus mortos, recobre-se
da sua aspereza seca, ventaneira
ou lufada de tempo calcinado
e canta lenta uma canção
que, na sua baixa frequência, é apenas escutada
por congéneres remotos, primordiais.
Quando ela pinta os seus dentes de marfim,
Dentina opaca e branca, romboidal
que prestigia a sua boca e mais sua alegria,
a mulher esculpe neles a aflição
preciosa, endurecida como uma laje
que é atravessada pela luz e a submete.


(de Atavío y puñal, 2012)


[No ar, a pedra]

No ar, a pedra já não dói.
Quando roda, percorre com violência
a idade que caminha até se tornar bronze
e transforma a ferida em cada lasca.

Limadura, fração com que a linguagem
esfaragulha a pedra nas suas duas sílabas
como vocábulo fendido e estilete
que aguça a humildade da desfeita
para oferecer a dádiva do medo,
a floração solar do sacrifício.

Pedra cutelo, búzio de ar
que chói os sons da tribo
no tambor solene da guerra,
na angústia e o peçunho do animal,
na desesperada turbação
com que Gaza sangra pelas suas cifras.

No entanto, a pedra resiste-se.
Não é pronta a ser domesticada.
Há no seu coração um alto pássaro.
Há nela arrecifes, elefantes,
caminhos e escadas, solilóquios,
as circunvoluções, o destino,
a álgebra, a luz das estrelas,
o abraço de Abel e de Caim.
Há no seu coração um alto pássaro.


Quando voa no ar, já não dói.

(de Fiebre y compasión de los metales, 2016)




© Texto: María Ángeles Pérez López
© Tradução: Xavier Frias Conde